sábado, janeiro 26, 2008

Urbana Legio omnia vincit - II

Siiiim, a peça!!!

Ontem, após mais um dia daqueles de trabalho, fomos eu e o Lu para o Centro Cultural Banco do Brasil, assistir à tão esperada peça... Muita gente esperando para comprar os ingressos que sobrassem e nós - com os nossos já em mãos - esperando para subir. Na fila do elevador, estava o Jerry Adriani por perto. Já na primeira campainha a sala estava cheia (eram só 138 lugares a 15 reais no ingresso inteiro, explicado porque esgotou rápido?).

Segunda campainha, todos quietos, a luz começa a diminuir e algum gelo seco, bem pouquinho, a ser lançado.

Terceira campainha, a luz apaga. No canto direito do palco há uma rosa, com spot focado nela. E ele entra, Renato Russo himself, praticamente uma incorporação, cantando Há Tempos. A platéia ainda tímida canta baixinho.

- Boa noite!

- Boa noite! (138 pessoas ainda tímidas)

- Não tô escutando, acho que o retorno está ruim, BOA NOITÊ!!!

- BOA NOOITÊ!!!

Começa a apresentação da pessoa/personagem e sua história. Parte de mim queria anotar cada fala, cada detalhe para contar para todo mundo, mas vi que se fizesse isso, perderia a peça inteira, então, segui o famigerado conselho da ministra.

A peça, nas palavras do ator/produtor - Bruce Gomlevsky, escritas no programa - é um ensaio. Eu, ignorante no assunto que sou, descrevo como uma dramatização da vida do Renato Russo, através de suas músicas (algumas porque ele as escreveu, outras pelo significado delas em sua vida). Em um espaço de duas horas e pouco estiveram Perfeição, Índios, Tempo Perdido, Strani Amori, Eduardo e Mônica, Eu Sei... Não estiveram Faroeste Caboclo e Teatro dos Vampiros, por exemplo (mas tb, não era um show de Greatest Hits, né Cristiane!). Ah, a banda que acompanha - Banda Arte Profana - é ótima tb. A introdução deles para a segunda música, Perfeição se eu bem me lembro, foi espetacular. E olha que eu nem gosto tanto dessa música.

A (pequena) interação com a platéia, uma brincadeira com o Jerry Adriani, tudo que se podia esperar pelo que já foi dito e mais. Em um dos momentos em que ele conversa com a platéia é dito que dois amigos dele tinham os mesmos signos de um casal (aliás, a platéia era quase toda composta de casais) e começa Eduardo e Mônica. Ele sempre parava de cantar e deixava a platéia cantando em determinadas estrofes - as mais fáceis, diga-se de passagem - para retomar em seguida. Em um determinado momento, ele não voltou e todo mundo parou... Pela reação dele isso era muito esperado e, daí em diante, a platéia se desinibiu e cantou todas as músicas junto, de ponta a ponta.

Eu adorei!!! Iria de novo e recomendo. Detalhe: a temporada, que vai até 10/02, está esgotada. Se alguém quiser tentar, pode ir e esperar por algum lugar que por ventura sobre (ontem foram cerca de 6). Para quem quiser tentar, chegue muito cedo.




Elenco: Bruce Gomlevsky
Participação: Banda Arte Profana e Junior Brasil
Dramaturgia: Daniela Pereira de Carvalho
Direção: Mauro Mendonça Filho
Direção Musical: Marcelo Alonso Neves
Produção: Bruce Gomlevsky e Julia Carrera
Duração: 125 minutos (sem intervalo)









PS: Volume I.

Um comentário:

Lulu on the Sky disse...

Po quero muito, mas o duro é vc ir na esperança q alguem nao vá. :(
Big Beijos